27 de out de 2014

Crônica - Demagogia

      A demagogia que instala-se nos aspectos social e político é uma ferramenta perigosa que atravessa os séculos. A desigualdade social e a precária educação são muito bem manipulados pelos demagogos políticos que vestem capas ideológicas e o povo, cego, surdo e mudo se deixa manipular. Não importa o modelo político, direita, esquerda ou centro, pois todos defendem seus interesses individuais, para se manterem no poder.

         O demagogo perigoso é o radical populista que inflama massas com o verbo, resta ao povo se politizar e vencer os invencíveis com seus ideais.

Reflexão - Dignidade


24 de out de 2014

Poesia - Lagrima da Alma


Uma lágrima suspensa nos cílios
Desliza suave e umedece a pele
Precipita-se entre as lembranças
Que habitam o baú da memória,
Como cascatas jorram emoções
Descendo por dúbias sensações
Nas grafias escritas de poemas
Nos labirintos das velhas ilusões
Outra gota, com sabor de sal brota
Por trilhas de velhas histórias
Com sofrimento em tristes olhos
E em ais, se esfacela na Alma.

Poesia - A Esperança



Era verde como a água do mar
Ultrapassava o horizonte distante
Mergulhava no mistério do infinito
Acompanhou ciclos do tempo
Invadiu emoções e sentimentos
Vestiu-se de amor e paixão
Até que a desilusão se fez presente
Vestiu-se de negro, fez-se luto
Como herança, desejos contidos
Lembranças do passado distante
Cinzas de esperanças e certezas.


Reflexão - Sombras


20 de out de 2014

Poesia - O Poeta é Livre



O poeta, um sonhador, vendedor de ilusões
Viajante entre a terra e estrelas do infinito
Nas asas das doces brisas dos quatro ventos
Com liberdade plena em qualquer época
O poeta mergulha nas emoções e sentimentos
Emerge na inspiração e sensibilidade da Alma
Realiza-se através da pena e pergaminho
Em doces palavras, ao falar de amor e quimeras
Das fantasias do Ego, guardadas em segredo
Que afloram em desejos de uma realidade plena
O Poeta é livre, sem compromissos e amarras
Um barco que desliza pelo mar da saudade
Sem bússola, sem leme, a vela é o instante.

Beijokas aos Poetas por seu dia.


Crônica - Eleições para Presidente/2014 (2º Turno)

Tenho por hábito não discutir política, religião e futebol, pois são assuntos pertinentes à individualidade.
Fui uma Petista enlouquecida e, por trabalhar na UFPEL  participava de lutas e greves. Lembro que minha filha era pequena e perdi o precioso tempo de convívio materno, para erguer a bandeira do PT pelas ruas da cidade, em passeatas, comícios, etc.
Foi decepcionante despertar e concluir que o partido não tinha como objetivo o bem do cidadão e sim, o bem da cúpula partidária, as provas são os descalabros do dia a dia.
Hoje, não tenho bandeira partidária, mas ainda creio em homens de caráter que governem com ética, alicerçados na justiça e igualdade, que usem o dinheiro público para suprir deficiências na educação, saúde e segurança e não, para acrescer polpudas contas bancárias no exterior, como na atualidade.
Se o passado longínquo não foi bom, o presente está péssimo, cada brasileiro deve arcar com a responsabilidade de seu voto na busca de um futuro melhor.
Não votarei em nenhum dos candidatos, pois não inspiram confiança para o cargo de Presidente, mas meu senso crítico vê que o que a história registra, a ingovernabilidade da Presidente Dilma.
O candidato Aécio ainda não ocupou a cadeira de Presidente, desta forma não é possível lhe atribuir má gestão, se mudanças acontecerão ou não, só o tempo dirá.

A reeleição gera o continuísmo que significa alimentar o quarto poder que, de forma dissimulada infiltra-se nos três poderes - O PODER DA CORRUPÇÃO.

Reflexão - Transição


18 de out de 2014

Poesia - Verso Perfeito



Procura-se um verso perfeito
Que seja o  ápice da poesia
Que fale de encantamento
Palavras que germinem
No sentimento, na mente
Rebordados de emoções,
Diga que ainda é tempo
Não importa o passado
O presente inexistente
Ou, o que reserva o futuro,
Que este verso seja espelho
Da contínua energia interior
Dos ideais inalcançáveis
Que este verso perfeito,
Fale da magia do beijo
Dos pronomes pessoais

EU, TU, NÓS.

Poesia - Paixões Insaciáveis



Serpente sinuosa
Enrosca e sufoca
Guiso a chocalhar
Encanta, enfeitiça
A carne não sacia
A sede não mitiga
Sentidos escravizam
Uma febre delirante
O desafio, a tentação
Um aroma fascinante
Artimanhas das fantasias
Sintonia e cumplicidade
O despertar animalesco

Das insaciáveis paixões.

16 de out de 2014

Crônica - Mídia, verdades e inverdades

Até que ponto o indivíduo é influenciado pelas verdades nuas e cruas e a cascata fantasiosa das inverdades, noticiadas pela mídia? Muito,  e assim, o homem passa sua existência, a mercê dos mais cultos e donos do poder.
A teia da mídia se estende aos lares e gera vários ícones. A instabilidade que traz mudança de comportamento, social, político, religioso. A inconstância que gera a agressividade do amanhã e norteia as decisões pelas emoções, pelo medo, pela alternância de sobrevivência.
Faz parte da natureza humana desejar conviver através de seus sentidos com ícones que desgastam e, principalmente, vivenciar o processo de vítima, pois é mais fácil transferir à terceiros suas escolhas errôneas do que polir seu discernimento.
Atualmente, no período eleitoral, a mídia tem exercido uma influência perniciosa comprovada pela vulnerabilidade dos eleitores, principalmente no que concerne às tendências de  novas pesquisas.
Através de um olhar crítico é possível afirmar que a mídia tem uma expressiva responsabilidade com a sustentabilidade política/social das Nações.




Reflexão - Escolhas


11 de out de 2014

Poesia - Criança Poesia



A criança é poesia, já nasce cantando 
Com seu primeiro e forte vagido
Avisando ao Universo: aqui cheguei
Assim como a poesia, ela encanta
E com gestos meigos e espontâneos
Com doces palavras de afeto
Abraços apertados, beijos estalados
Conquista seu espaço na família
Sabe quando são amadas e protegidas
Dos infortúnios do mundo e perigos
As crianças são cristais transparentes
Prontos para uma lapidação responsável
Circundados de sentimentos nobres
Pequena, frágil, de mãos diminutas
Com passos pequenos e inseguros
Necessita da mão forte para apoiá-la
A criança poesia dorme com melodias
Acorda sempre com um puro sorriso
Pronta para as peraltices do dia
A criança poesia floresce a inocência
Entre limites e possibilidades
Entre cair e levantar faz o aprendizado
Só pede à família que lhe guie. 

10 de out de 2014

Poesia - Palavra



Um dom, o verbo
União de sílabas
Que penetram
Na essência,
Grafia que tatua
Suporte do tempo
Deixam rastros
E mensagens,
De verdades
Sentimentos
Autênticas
Zelosas,
Inverdades
Por emoções
Sem cuidado
Sem destino,
São vogais
Consoantes
Pronunciadas
Pelo poder
Ou por magia,
Sementes
Que o vento
Lépido carrega
Livre escolhas
Tuas e minhas.

Reflexão - Livro da Vida


3 de out de 2014

Poesia - A Primavera



Primavera, prenúncio do renascer
Vida, energia, alegrias, sentimentos
Os ares mensageiros dos quadrantes
As andorinhas em bando na revoada
É um tempo de buscas e realizações
Encontros, violinos e canções

Ninfas que flutuam sobre águas
Flores e aromas que inebriam
A metamorfose permeia a natureza
Reveste de folhagens galhos nus
Meninas com buquês de rosa e tomilho
Caminham pelas veredas das quimeras

Os idílios florescem a cada amanhecer
Alimentam as horas diurnas com cores
Até que o luar de prata se faça presente
Ilumine  com múltiplos tons de verde
Os sonhos de cada habitante da terra

Para agraciar sua primavera individual.

Reflexão - Chuva miúda