20 de out de 2014

Crônica - Eleições para Presidente/2014 (2º Turno)

Tenho por hábito não discutir política, religião e futebol, pois são assuntos pertinentes à individualidade.
Fui uma Petista enlouquecida e, por trabalhar na UFPEL  participava de lutas e greves. Lembro que minha filha era pequena e perdi o precioso tempo de convívio materno, para erguer a bandeira do PT pelas ruas da cidade, em passeatas, comícios, etc.
Foi decepcionante despertar e concluir que o partido não tinha como objetivo o bem do cidadão e sim, o bem da cúpula partidária, as provas são os descalabros do dia a dia.
Hoje, não tenho bandeira partidária, mas ainda creio em homens de caráter que governem com ética, alicerçados na justiça e igualdade, que usem o dinheiro público para suprir deficiências na educação, saúde e segurança e não, para acrescer polpudas contas bancárias no exterior, como na atualidade.
Se o passado longínquo não foi bom, o presente está péssimo, cada brasileiro deve arcar com a responsabilidade de seu voto na busca de um futuro melhor.
Não votarei em nenhum dos candidatos, pois não inspiram confiança para o cargo de Presidente, mas meu senso crítico vê que o que a história registra, a ingovernabilidade da Presidente Dilma.
O candidato Aécio ainda não ocupou a cadeira de Presidente, desta forma não é possível lhe atribuir má gestão, se mudanças acontecerão ou não, só o tempo dirá.

A reeleição gera o continuísmo que significa alimentar o quarto poder que, de forma dissimulada infiltra-se nos três poderes - O PODER DA CORRUPÇÃO.