22 de set de 2014

Poesia - Despede-se o Inverno



Entre idas e vindas lá vai o inverno
A natureza em movimento contínuo
Não pede mais clemência ao tempo
Por fustigantes ventos que rasgam
Por chuvas torrenciais que encharcam
Por geadas que cobrem os campos
Os reinos e seus mortais habitantes

A névoa que envolve dias e noites
O silêncio cortante que gela a Alma
A neblina da melancolia e saudade
A sina de sentimentos congelados
Os ecos de um distante passado
São ferozes guardiões do inverno
Que acena nas asas do minuano.

Reflexão - Aprendizado