29 de set de 2014

Poesia - Uma vida, um poema



Por épocas distantes, livre e amando
De forma selvagem, como loba uivando
Raivosa, defendendo a história seu povo
Guerreira, temida pela força e valentia
Sábia rainha, maga, bruxa, feiticeira
Conhecedora dos segredos da terra
Da vida, dos sonhos e dos mortos
Uma vida entre aromas silvestres
Ao som da lira, suaves versos
Sob o luar prata no imenso infinito
Inebriada com néctar do doce vinho
Na clareira de uma floresta encantada
Com o fogo crepitando na fogueira
Homens, mulheres em danças sensuais
Mergulhando no tempo como se fosse único

Uma época, uma vida, um poema.

Crônica - Alarido Político

Brasil, discussões intermináveis, alarido estressante e viva a discórdia, a maledicência, os desajustes emocionais. As mesmas promessas ilusórias como se ocupar cargos fosse um mecanismo de milagres. Ideologias foram à óbito e cinzas, sopradas em outro planeta. Resta aos homens de caráter dois caminhos, o primeiro levantar de seu berço esplêndido e lutar por um Brasil de igualdade e o segundo omitir-se e aplaudir as estrelas da política, criminalidade e impunidade.

Existem culpados? Quem? O político manipulador ou o povo que prefere ser manipulado e tirar suas lascas de vantagens entre o leque de ofertas e promessas? A maioria sempre vence, mesmo que esteja equivocada em suas decisões e, mais uma vez, observa-se a tendência, não à democracia e sim à anarquia. 


Reflexão - Energia