11 de mai de 2015

Poesia - Semente



Letras que se espreguiçam
Ao serem desenhadas pela pena
Nas amareladas folhas 
De pergaminhos na existência
Palavras instáveis escritas
Fragmentos do âmago da Alma
Transformados em emoções
Vertentes de ilusões incontáveis
Dorso nu, lanhado, tatuado
Entranhas como mármore
Mente, labirinto de sensações
Febril energia que assola a carne
Sementes de desejos cerceados
Brota nos áridos sentimentos
Onde quimeras se materializam
Minúscula esperança de vida.