30 de jun de 2017

Paisagem Brasil

A mídia propaga, aos quatro cantos, o mar de lama onde estão inseridos os políticos eleitos pelo POVO. Em meu ponto de vista, o eleitor que elegeu os corruptos que se instalaram nos três poderes, tem sua parcela de culpa nos acontecimentos, uns por incultura, outros por acomodação e outros tantos. por interesses pessoais.
Brasil, um País sem governo, sem uma política séria, sem cumprir o dever de ofertar soluções cabíveis para a qualidade de vida dos cidadãos. São tantos os delatores que se perdeu a exatidão do número, pois a cada dia, alguém decide que, para receber privilégios deve citar o que sabe ou, o que viu. O delatado mantém-se na posição de defesa, negando evidências e a lentidão do poder Judiciário, com uma constituinte obsoleta adia, para o “amanhã”, soluções.
Se faz necessário revisar leis e torná-las, mais comprometidas com punições severas, para os deslizes dos políticos que são, apenas “funcionários públicos” e por sinal, muito bem pagos.
Relembrando as aulas de história sabe-se que o termo “democracia” surgiu na Antiguidade clássica, em Atenas, na Grécia, para designar a forma de governo que caracterizava a administração política dos interesses coletivos dos habitantes das cidades-estados.
Os séculos transcorreram e o sistema, por um tempo foi esquecido retornando a partir do século 18 e a partir do século 20, década de 1950, com a idade moderna passou a ter um grande interesse.
Cada época definiu a democracia sob diferentes aspectos, mas a contemporaneidade no Brasil substituiu, “democracia” por “anarquia”, alimentada pela corrupção avassaladora e ao que parece, incontrolável.
O cidadão tem o dever de despertar e concluir que a reforma política tem que iniciar com seu voto, em pessoas de caráter ilibado para ocuparem cadeiras nos três Poderes, pois é necessário que haja um equilíbrio entre eles, de modo que cada um exerça, certo controle sobre os outros, característica das democracias modernas.
É o cidadão que deve cobrar soluções de quem ajudou a eleger, pois são eles que aplicam as políticas públicas, que visam assegurar determinado direito de cidadania, de forma ampla ou, para determinado seguimento social, cultural, étnico ou econômico, a nível municipal, estadual e federal. São esses políticos que regem o destino de uma cidade, um estado, um país, que legislam e aprovam o que beneficia ou prejudica a sociedade.

O destino do Brasil está na minha e na tua mão, ao apertar o botão da urna eletrônica. É nosso direito e urgentemente, nosso dever mudar o rumo de nossa História.